JACARÉ, ALIGÁTOR, CROCODILO OU GAVIAL – 3ª parte

BRASILEIROS

Agora que sabemos algumas diferenças básicas e simples quanto à classificação dos crocodilianos a ênfase maior será nos nossos animais.

É importante conhecer quem são os crocodilianos, onde vivem o que comem, mas tão importante quanto saber sua biologia é saber que correm risco e precisam de nossa ajuda.

O Brasil possui espécies muito interessantes. De 8 espécies da família Alligatoridae 6 ocorrem aqui e em países vizinhos. Antigamente eram muito utilizados em restaurantes como pratos “diferentes”, mas felizmente, hoje não são tão perseguimos justamente pela criação de criadouros voltados para o comércio de sua carne e pele, principalmente, mas não significa que estão livres da caça. Porém, em áreas não protegidas ou com pouca fiscalização do IBAMA e outros órgãos, teoricamente “competentes”, estão sendo dizimados. A fiscalização com pessoal adequado, treinado e da área facilitaria a sobrevivência das espécies, mas o que verificamos é um pessoal incapacitado que é subornado a todo o momento e, o pior, números reduzidos de fiscais por área fiscalizada. É como se fosse 1 fiscal para atender o Estado da Bahia inteiro e, mesmo assim, desprovido de condução própria tendo que pegar carona para chegar até seu objetivo. Um absurdo! Mas, é isso que acontece quando se possui um governo corrupto e ganancioso.

Jacaré-açu (Melanosuchus niger)

Comprimento: 6 m
Lista Vermelha (IUCN): Baixo risco de Extinção, depende de conservação.
Habitat: rios de águas calmas, riachos, lagos, igarapés e alagados em terras úmidas.
Alimentação: invertebrados, piranhas, bagres, catetos, capivaras.
Reprodução: constrói o ninho durante a estação seca e põe de 30 a 60 ovos que são incubados por 42 a 90 dias.
Curiosidade: mostram maior atividade de caça à noite tendo visão e audição agudas.

Jacaré-de-papo-amarelo (Caiman latirostris)

Comprimento: M = 3 m; F = 2 m
Lista Vermelha (IUCN): Baixo risco de Extinção
Habitat: pântanos, brejos, estuários, açudes e rios
Alimentação: invertebrados e pequenos vertebrados; os filhotes são insetívoros em potencial; adultos têm força para esmagar cascos de tartaruga.
Reprodução: constrói o ninho próximo da água, no início do período chuvoso e deposita de 20 a 60 ovos que são incubados por 60 a 90 dias.
Curiosidade: nesta espécie o macho ajuda a fêmea a construir o ninho e cuidar dos filhotes e quanto mais velha, mais ovos deposita.

Jacaré-do-pantanal (Caiman yacare)

Comprimento: M = 3 m; F = 2 m
Lista Vermelha (IUCN): Baixo risco de Extinção
Habitat: pântanos, áreas alagadas, rios e lagos. Associa-se a vegetação flutuante.
Alimentação: invertebrados aquáticos (caranguejos e caramujos), peixes, capivaras, catetos e serpentes.
Reprodução: ocorre no meio da estação chuvosa. Além de construir o ninho em terra firme não é raro vê-los sobre a vegetação flutuante. Deposita de 21 a 38 ovos que são incubados por 80 dias.
Curiosidade: devido a grande pressão de caça que sofreu, e quase a levou à extinção, as fêmeas chegam a abandonar o ninho na presença do homem.

Jacaretinga (Caiman crocodilus)

Comprimento: M = 2,50 m; F = 1,50 m
Lista Vermelha (IUCN): Baixo risco de Extinção
Habitat: extremamente adaptável a todos os tipos de habitats fluviais, entretanto, prefere águas mais calmas.
Alimentação: invertebrados aquáticos quando jovens e vários vertebrados maiores (peixes, anfíbios, répteis, aves aquáticas e pequenos mamíferos), quando adulto.
Reprodução: tornam-se adultos entre 4 e 7 anos. A fêmea procura um local protegido para depositar os ovos, de 14 a 40, e protege os ovos pacientemente por 90 dias de incubação.
Curiosidade: animais não dominantes crescem menos, devido ao estresse e não têm chance de reproduzir; Existem duas subespécies: Caiman crocodilus apaporis e Caiman crocodilus fuscus.

Jacaré-paguá (Paleosuchus trigonatus)

Comprimento: M = 2,60 m; F = 1,50 m
Lista Vermelha (IUCN): Baixo risco de Extinção.
Habitat: córregos florestais rasos; adultos passam a maior parte do tempo em tocas situadas longe da água.
Alimentação: juvenis comem grandes porções de invertebrados terrestres, e os adultos incluem vertebrados como: serpentes, roedores e peixes.
Reprodução: a fêmea constrói o ninho antes do período chuvoso e põe de 10 a 20 ovos que incuba por 115 dias; atinge a maturidade aos 1,30 m e o macho 1,40 m.
Curiosidade: existe registro desta espécie a altitudes de 1.300 m, oq eu é considerado muito alto para um crocodiliano

Jacaré-coroa (Paleosuchus palpebrosus)

Comprimento: M = 1,60 m; F = 1,20 m
Lista Vermelha (IUCN): Baixo risco de Extinção.
Habitat: rios com vegetação marginal, córregos e florestas alagadas ao redor de grandes lagos.
Alimentação: os filhotes são insetívoros; adultos comem peixes, caranguejos, camarões e moluscos.
Reprodução: durante a estação chuvosa o ninho é construído com vegetação e lama onde a fêmea põe de 10 a 25 ovos que são incubados por 80 a 90 dias.
Curiosidade: sua pele dura trouxe duas vantagens: uma super proteção para seu corpo e a desvalorização do valor comercial de sua pele, impedindo a pressão da caça.

Próximo domingo a última parte dos crocodilianos.

Boa semana!

Abraços.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: